Viva o Parque Vila Ema

 

Reunião de articulação da Rede Novos Parques do mês de maio acontece numa tarde fria de domingo, no Parque Vila Ema, zona leste de São Paulo.

by Henny FreitasParqueVilaEma_29_05_16

 

Morador da Vila Ema, Rolf Bald, de 85 anos de idade aponta para a massa arbórea que se esconde por trás do muro que separa o Parque Vila Ema da população. Foto: Henny Freitas

Entre um sol tímido e ventos gelados conhecemos mais um pedacinho verde escondido em meio à arquitetura cinza de Sampa. Trata-se do Parque Vila Ema, localizado na Avenida Vila Ema 1514, há dois minutos da estação Oratório da CPTM.

Tivemos contato com o movimento Viva O Parque Vila Ema, que desde 2010 vem se articulando com os moradores do entorno, levantando uma série de documentos para proteger a área e criando estratégias para conter o avanço desenfreado da especulação imobiliária no local.

Um desses moradores é o senhor Rolf Bald, imigrante alemão de 85 anos de idade que mora na região desde quando esse pequeno oásis de 16 mil m2 não tinha nem muro nem uma construtora chamada Tecnisa separando o convívio entre seres humanos e natureza.

Bald representa a influência alemã que o bairro da Vila Ema teve durante a Segunda Guerra Mundial. Naquela época o Parque da Vila Ema era uma chácara que pertencia a uma família de imigrantes alemães e servia de abrigo tanto para alemães quanto para japoneses.

Até 2008 os moradores do entorno podiam entrar para colher frutas e desfrutar livremente da natureza desse espaço. Em 2009, a chácara foi vendida à construtora Tecnisa (Oregon Investimentos Imobiliários) e fechada à população; as antigas casas foram demolidas e queimadas. Hoje, os únicos resquícios encontrados dessa importante memória paulistana são os caminhos que levavam às casas, cuidadosamente construídos a fim de não impactar nem o solo nem a vegetação.image

Beleza Nativa

A área possui uma imensa diversidade biológica remanescente da Mata Atlântica com espécies de árvores em extinção, como o Palmito Jussara e outras frutíferas, como a Uvaia, além de servir de abrigo para os mais de 30 tipos de aves, morcegos e borboletas.

Esse pequeno paraíso perdido é importante para a região pois, além de preservar a história do bairro, ajuda a: conservar a nascente e o curso d’água que passa pelo terreno; preservar as espécies nativas de árvores em extinção; melhorar a qualidade do ar e abrir toda uma gama de possibilidades de lazer, educação e cultura voltadas ao meio ambiente. Sem contar com o serviço ambiental gratuito de contenção de enchentes (constantes no entorno) e evitar que mais carros sufoquem ainda mais o já sufocado trânsito na região.

Dia Mundial do Meio Ambiente

Enquanto um processo tramita no Ministério Público para impedir a supressão do verde existente, o movimento em defesa do Parque Vila Ema continua se mobilizando e articulando maneiras de deixar o bairro da Vila Ema mais verde.

No dia 5 de junho, dia mundial do meio ambiente, uma árvore será plantada no entorno como símbolo de resistência já que a região tem o menor índice de área verde por habitante em São Paulo. São meros centímetros quadrados enquanto que o recomendado pela Organização Mundial da Saúde é de 12m2.

Saiba mais como se dará essa articulação autônoma e autogestionada na página do movimento nas redes sociais:

https://www.facebook.com/vivaoparquevilaema

Viva o Movimento Viva o Parque Vila Ema! Viva a Rede Novos Parques! Vida longa a todas as pessoas que manifestam interesse em proteger as últimas áreas verdes remanescentes de São Paulo!

 

Comments

happy wheels