Alimentação Consciente

E se você deixasse as guloseimas de verão de lado e preparasse deliciosas, nutritivas e saudáveis refeições conscientes?

por Henny Freitas

Wrap_Primavera

Wrap Primavera com Molho Oriental, receita da chef Gabriela Monteiro

O verão chegou chegando  e com ele, os quitutes da época: petiscos, porções, doces e sorvetes – todos recheados com muitas calorias. Mas e se esse ano fosse diferente? Consumir alimentos leves e promover uma alimentação consciente é a receita básica da chef Gabriela Monteiro*. Para o nosso deleite, no final da entrevista a seguir há saborosas receitas veganas seguindo os preceitos da Ayurveda, com o passo-a-passo da chef.

Ayurveda é um sistema tradicional de saúde na Índia – uma ciência de 5 mil anos – reconhecida pela Organização Mundial da Saúde por ser eficaz, tanto para prevenir como para tratar doenças. Além de priorizar os ingredientes frescos, utiliza-se de ervas e plantas para ajudar nos processos de equilíbrio e cura do organismo. “A nutrição é um aspecto muito importante dessa ciência”, diz Gabriela, pois “olha para cada ser como único, com vontades e necessidades únicas”.

Durante os meses mais quentes do ano, a chef equilibra o sistema através de folhas, brotos e raízes na forma de alimentos crus, além de suco de frutas. Nos meses mais frios, desenvolve receitas veganas e vegetarianas a base de alimentos pré-cozidos e cozidos. Assim nasce o projeto “Gastronomia Viva” e é dessa forma que materializa sua criatividade na cozinha e desenvolve seus estudos na universidade. O resultado é de dar água na boca.

 

Como é o trabalho que você desenvolve na UFRJ sobre Alimentação Consciente?

Sou pesquisadora. Faço mestrado em Psicossociologia de Comunidades e Ecologia Social. O que me levou a procurar o mestrado foi a vontade de sistematizar um tema que estudo desde criança: a alimentação. Parei de comer carne vermelha aos 13 anos em uma época onde, culturalmente, a carne era a base da alimentação da minha família. Precisei buscar informação para levar para casa e, dessa maneira, comecei a desenvolver essa pesquisa. Percebi com o tempo que a medida que vamos adotando uma alimentação consciente podemos experimentar uma melhor conexão com o meio. Melhorando a qualidade da alimentação trazemos qualidade para a nossa vida. E isso tem um enorme poder de reverberação. Minha pesquisa tem relação com esse processo.

 

O que significa adotar uma “alimentação consciente”?

Segundo a Ayurveda, nós somos aquilo que comemos. Se considerásemos que o alimento leva em torno 21 dias para trazer energia ao nosso sistema e assim formar nossos tecidos, uma alimentação consciente seria o caminho percorrido desse processo. É estar constantemente atentos à qualidade do processo que o alimento percorre do campo ao corpo. É a semente, o cultivo, o local, o transporte, o armazenamento, a compra e a venda. É a forma de preparo, o ambiente onde se faz a refeição e de que forma esse alimento interage com o nosso sistema e com o nosso corpo.

 

Assim como a “agricultura convencional” deixou de ser associada a alimentos orgânicos e passou a ser aquela cultivada com agrotóxicos, a “comida caseira” é cada vez mais substituída por fast-food. Na sua opinião, a que se deve essa mudança?

A mudança se deve à vida moderna, à necessidade de cumprir prazos, ao trabalho sem amor que faz o tempo encurtar. E também à indústria do alimento, que tem interesse em aumentar o número de consumidores mais e mais. Temos aí, um paradoxo. A vida moderna demandou aceleração nos processos e a aceleração nos processos é demanda da vida moderna.

A vida moderna demandou aceleração nos processos e a aceleração nos processos é demanda da vida moderna.

 

Como reverter essa situação? O que você diria aos que estão buscando uma alimentação consciente?

Pesquisar, conversar, trocar. O movimento da alimentação consciente está crescendo. Uma boa prática é ler o rótulo dos alimentos industrializados e evitar comprar aqueles cujos ingredientes não podemos identificar. É simples: deixou de identificar algum ingrediente? Não compre! O melhor é saber que temos o poder da escolha. Quem decide o que queremos consumir somos nós mesmos. Buscar as feiras orgânicas também é sempre uma boa opção, além de conversar com os produtores e buscar as redes de consumo consciente. A internet é uma boa ferramenta para iniciar essa pesquisa.

 

 

Gabriela_Monteiro* Gabriela Monteiro é chef, editora de livros e artista. Desenvolve pesquisas nas áreas da Alimentação Consciente, na UFRJ além de se dedicar às Culinárias Vegetariana, Vegana e Viva. Trabalha a Nutrição Ayurvédica e os Florais da Amazônia.

 

 

 

Receitas por Gabriela Monteiro

Para ter acesso às receitas clique nos títulos.

 

Canelone Vivo de Abobrinha com Ricota de Amêndoas

Caneloni

 

Wrap primavera com molho oriental

Wrap_Primavera

 

Verrine de Chocolate e creme de baunilha

Verrine_baunilha_chocolate

 

Contatos:
www.gastronomiaviva.com.br

www.facebook.com/GastronomiaViva

gastronomiaviva@gmail.com

 

Comments

happy wheels